Você já ouviu a expressão “não faça com os outros o que não gostaria que fizessem com você. Então, confira mais sobre esse assunto!

Não faça com os outros o que não gostaria que fizessem com você

Posted on Posted in Comportamento

A máxima “não faça com os outros o que não gostaria que fizessem com você” já se explica por si só. Pois, ela é simbólica e, também, faz um convite direto à prática da empatia. Portanto, a ideia é simples: colocar-se no lugar do outro.

Então, quanto mais preocupados e consternados ficamos com nossas rotinas, as relações humanas acabam ficando para trás. Assim, nos encontramos em um mundo mais frio, egoísta e pouco altruísta. Contudo, é simples alterar isso e fazer toda a diferença!

Dessa forma, lembre-se que quando fazemos o bem, somos sinceros e nos importamos. Logo, as coisas fluem. Assim, damos a oportunidade para que coisas boas entrem ou retornem para nossa vida. Ademais, ter uma boa atitude com o próximo não nos exige muito.

“Não faça com os outros o que não gostaria que fizessem com você”: antes de tudo, ame-se!

Por mais que a ideia de “não faça com os outros o que não gostaria que fizessem com você” seja simples, para torná-la real e uma prática diária, é necessário estar em paz com você. Por isso, ame-se e pratique esse amor todos os dias. Ou seja, esteja em harmonia com quem você é!

Quando nossa vida vai bem e quando as coisas fluem, conseguimos nos atentar mais em como tratamos o próximo. Dessa forma, cada vez menos descontamos o que sentimos nos outros. Ou deixamos ainda menos nossos problemas tomarem conta dos nossos dias.

Nesse sentido, ter amor próprio é o primeiro passo para que coisas boas aconteçam. Logo, atitudes ainda melhores acontecem também.

Pratique a empatia

Não faça com os outros o que não gostaria que fizessem com você e busque praticar a empatia. Pois, ser empático é se colocar no lugar do próximo e imaginar como ele se sentiria no seu lugar. Ainda, buscar compreender os motivos que fazem uma pessoa agir como age ou pensar o que pensa.

Sendo assim, praticar a empatia é ser uma pessoa mais aberta, mais interessada e se importar. Ter empatia é se preocupar com o que o outro vai sentir ou está sentindo. Por isso, precisamos estar atentos ao que dizemos e fazemos.

Nesse sentido, você iria gostar que outra pessoa descontasse os problemas dela em você? Ou que te tratasse com grosseria por nenhum motivo? Então, não seja essa pessoa. Lembre que gentileza gera gentileza, e mesmo uma pessoa armada com arrogância pode ser transformada.

“Não faça com os outros o que não gostaria que fizessem com você”: coloque-se no lugar do outro

Sendo assim, essa é uma atitude simples que pode mudar tudo. Pois, colocar-se no lugar do outro é uma prática que deve ser diária. Ademais, não sabemos quais as batalhas e barreiras que a outra pessoa enfrenta. Mesmo alguém que julgamos conhecer tão bem, pode ter coisas que não gostaria de contar.

Leia Também:  Ninfomania: significado para a psicanálise

Então, se colocar no lugar da outra pessoa é muito importante para nossa autoavaliação. Além de nos ajudar a compreender as atitudes alheias. Isso porque também temos nossas lutas e nossos problemas, e isso não é motivo para descontar nas outras pessoas o que sentimos.

Por isso, não faça com os outros o que não gostaria que fizessem com você!

Cuidado com as palavras

Nossas palavras têm um poder imenso. Às vezes, podem ferir muito mais do que algo físico. Dessa forma, se você não gosta que as pessoas sejam grossas com você, não seja grosso com elas. Então, não revide comportamentos grosseiros. Seja o ponto em que o comportamento ruim muda.

Mesmo para nós, não é saudável utilizar palavras negativas ou que humilham os outros. Pois, palavras usadas com más intenções ou com o intuito de fazer mal, acabam criando uma aura de negatividade ao nosso redor.

Então, não use palavras com o motivo de prejudicar outra pessoa ou de fazer alguém se sentir mal. Porque essa atitude ruim reflete em como nós nos sentimos e pode ter consequências na nossa saúde.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    “Não faça com os outros o que não gostaria que fizessem com você”: então, seja uma pessoa mais solidária

    Praticar a solidariedade é uma ótima maneira de se colocar no lugar do outro. Ademais, é uma das formas mais empáticas de agir. Isso porque mostra que você se importa e que se interessa pelo que acontece às pessoas ao seu redor.

    Dessa forma, solidariedade é oferecer ajuda, se importar e se preocupar. Ainda mais com pessoas com menos condições que você ou, que precisam de ajuda que não seja material, mas psicológica, por exemplo.

    Por isso, imagine como seria a sua vida se vivesse a vida do outro. Então, esse é um ótimo exercício para não agir com outras pessoas como você não quer que ajam com você.

    E se fosse comigo?

    Uma ótima estratégia ao repensar suas atitudes com outras pessoas é perguntar-se: “e se fosse comigo? Eu iria gostar?” Então, se a resposta for não, já sabe: não faça com os outros o que não gostaria que fizessem com você!

    Sendo assim, ninguém gosta de ser tratado com grosseria, palavras de baixo calão ou indiferença. Além disso, ninguém gosta de ser usado, de ser alvo de mentiras e fofocas. Portanto, quando você age de maneira a prejudicar alguém ou sem se importar com as consequências, você pode causar grandes problemas.

    Por isso, nós reforçamos “e se fosse com você? Você ia gostar de ser alvo de fofocas e, por isso, ser demitido? Ou perder uma amizade? Ou seja, sempre rflita antes de agir!

    Aja sempre com sinceridade

    Se você respondeu “não” para a pergunta: “E se fosse comigo, eu ia gostar?”, então, passe a agir com sinceridade. Isto é, seja uma pessoa honesta nas palavras e atitudes. Não minta, não crie fofocas e não seja rude.
    Seja sincero, explique como se sente e, acima de tudo, dê espaço para que o outro possa dizer como se sente.

    Lembre que o poder das nossas palavras e atitudes podem fugir ao nosso controle e chegar ao ponto de destruir a vida de alguém. Então, seja sincero com você mesmo. Se você não se sentiria bem com as atitudes e palavras que quer ter, não use com os outros.

    Leia Também:  O que é sadismo para Freud e a Psicologia?

    Ademais, escute, esteja presente e converse. Afinal, entenda como suas ações impactam a vida do próximo.

    Conclusão sobre “Não faça com os outros o que não gostaria que fizessem com você”

    Concluindo o pensamento, a ideia é, de verdade, muito simples: não faça com os outros o que não gostaria que fizessem com você! De fato, um conceito que se explica e não requer muita reflexão para ser posto em prática. Pois, o que nos falta hoje é dar o primeiro passo em direção a uma vida mais empática e mais solidária.

    Isso porque, colocamos tantos assuntos sem importância à frente dos nossos princípios e valores que acabamos não prestando atenção nas pessoas ao nosso redor e em como as afetamos. Por isso, ter mais empatia e se colocar no lugar do outro é algo que pode ser praticado de imediato.

    Por fim, imagine quantas pessoas podem ser atingidas com belas atitudes e palavras! Então, não espere o outro mudar, mude você. Mude você e você vai ver o mundo ao seu redor melhorar!

    Venha conhecer mais

    Se você gostou do assunto “não faça com os outros o que não gostaria que fizessem com você”, faça nosso curso online de Psicanálise! Assim, você entenderá mais sobre a importância dessa ideia e como ela afeta vidas de maneira mais profunda.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *