era pós-verdade

Era Pós-Verdade e a batalha dos paradigmas

Posted on Posted in Conceitos e Significados

Possivelmente, você e muitas pessoas, já ouviram falar e até já entenderam a definição e o conceito do termo emergente ‘era pós-verdade’ e, possuem uma percepção, do que sejam os macro paradigmas em vigor social e compreenderam a pós-modernidade.

Neste sucinto artigo, vamos abordar os temas acima e buscar a significação do que seja a já propalada e difundida batalha dos paradigmas na pós-verdade na era pós-moderna.

Importante: as ideias constantes nos artigos não condizem necessariamente com as ideias do projeto Psicanálise Clínica. O site é aberto a publicação de colunistas de variadas linhas de pensamento, em respeito à pluralidade, sendo que a responsabilidade pelos conteúdos e opiniões são do autor de cada texto.

Entendendo a era pós-verdade

Como ponto de partida, afinal, o que é então a pós-verdade?! Este termo ‘´pós-verdade’ é um neologismo, algo novo, um substantivo definido como relativo ou referente a circunstâncias nas quais os fatos objetivos têm menos influência em moldar a OP (opinião pública) seja em que escala for, local, regional, nacional e até internacional por apelos às emoções, sentimentos, afetos e crenças pessoais”. É um neologismo que descreve algo no qual os fatos objetivos começam a ter menos influência do que os apelos emocionais e sentimentais.

Alguns chamam de pós-factual, ou seja, os fatos subjetivos passam a ter maior importância que os objetivos e provados. Existe um exemplo típico da teoria da terra plana versus esférica. Os defensores da pós-verdade relatam que fomos enganados, que o planeta nunca foi redondo. Os fatos científicos foram deixados de lado e houve um imenso apelo social para emoções e crenças. Isso é a pós-verdade. Parte da OP, opinião publica, passou a aceitar. Porém, é preciso frisar que a pós-verdade difere da falsificação da verdade.

A pós-verdade passou a ser mais importante que a verdade, pois é colocada como algo que aparentemente é verdade, mas é mais importante que a verdade. Na falsificação da verdade apenas é relevado a fato secundário. A pós-verdade pode ser uma mentira, uma fraude ou até uma falsidade encoberta como algo até politicamente correto. Porém, é um fenômeno no qual a OP reage mais pelos sentimentos, emoções, afetos do que pelos fatos científicos provados. Podemos citar como exemplo clássico que temos, os UFO e alienígenas, ou teoria dos antigos astronautas onde grupos lutam pela manutenção de uma pós-verdade construída.

A emoção das massas e a era pós-verdade

Uma pessoa informa que foi abduzida e examinanda numa nave alienígena e apela para emoções e sentimentos como foco em tentar provar que houve o fato e que a informação não pode ser colocada em segundo plano e ser simplesmente esquecida. Então, recorrem às crenças e emoções das massas, resultando em opiniões muitas das quais manipuláveis até de forma mercadológicas para venda de livros, revistas, enfim. Porque é uma informação ou asserção que distorce deliberadamente a verdade ou algo real caracterizada por emoção forte de apelos e o seu substrato são crenças arraigadas e difundidas em detrimento de fatos apurados o que vai influenciar a OP mundial inclusive e seus comportamentos.

Temos o case da ‘Àrea 51’ (suposta nave/UFO que caiu nos EUA e teria sido capturada por militares americanos e ocultada face guerra fria em 1955) como um caso clássico de pós-verdade que virou filme em 2015. Contexto ou situação que ganha contornos de fato social e psicológico como já se fosse comprovado ou objetivo. Outro exemplo típico de pós verdade, as pirâmides do Egito teriam sido construídas por alienígenas o que Autoridade das Antiguidades daquele país, localizado em Cairo, nega veementemente esclarecendo que foi uma obra humana provado pela Arqueologia.

Leia Também:  Contemplar: significado e sinônimo em psicologia

Essa palavra ‘pós-verdade’ foi empregada pela primeira vez num ensaio de 1992, pelo falecido dramaturgo sérvio-americano Stojan Steve Tesich (1942-1996) na revista ‘The Nation’ (criada em 1865, EUA), muito respeitável, onde ele refletia sobre o escândalo do Irã-Contras (nov1886) e Guerra do Golfo Pérsico (1980-88), onde ele expressou: “nós, como um povo livre, decidimos livremente que queremos viver em um mundo pós-verdade”. Ou seja, para ele uma verdade depois que é mais conhecida nos seus meandros seria a pós-verdade.

The Post-Truth Era e a era pós-verdade

Em 2004, foi lançado o livro ‘The Post-Truth Era’, de Ralph Keyes e em 2005 o comediante americano Stephen Colbert popularizou uma palavra informal relacionada ao mesmo conceito: ‘truthiness’, definida pelo Dicionário Oxford como ‘a qualidade de parecer ou ser percebido como verdade, mesmo que não seja necessariamente verdade’. A pós-verdade estende essa noção a uma característica geral de nossa época mas ligados a paradigmas. Paradigma é um modelo ou padrão a seguir pelas pessoas, comunidade e sociedades.

Etimologicamente, este termo tem origem no grego ‘paradigma’ que significa modelo ou padrão, correspondendo a algo que vai servir de modelo ou exemplo a ser seguido em determinada situação e tem sinônimos, sendo conhecido em vários países como modelo padrão; exemplo; protótipo; referência; regra; norma; arquétipo; molde; esquema; escala são conceitos similares a paradigma. A direção, rumo ou sentido ou ainda proa que se pretenda seguir e inspirar pessoas é o paradigma. Pois bem, o mais antigo paradigma que possuímos em escala planetária, o macro paradigma geral que orienta o mundo todo é ainda o ‘haja luz e houve luz’.

A partir de 1800 DC, começaram a lançar as bases de um novo paradigma, que ainda não se firmou bem, chamado de paradigma ou modelo cosmológico da mega explosão original ou da panspermia ou ainda, big bang. O objetivo deste paradigma é derrubar o paradigma ‘haja luz e houve luz’ e inaugurar um novo modelo de sociedade ligada ao positivismo científico ou a supremacia da ciência. O novo Deus pós-moderno seria então a ciência. Essa transmutação de paradigma é chamada por alguns de a morte de Deus, o fim da metafísica.

A relação com a pandemia

A pandemia de do corona vírus não deixa de ser um teatro de operações onde a ciência reivindica a supremacia. Na realidade apenas estão tentando inverter as premissas. No paradigma ‘haja luz e houve luz’, o espírito precedeu tudo. Essa é a premissa. No paradigma ‘mega explosão original’, ocorre o inverso, segundo seus defensores, pois teria sido a matéria que precedeu o abstrato ou engendrou ele pela evolução das moléculas e células, porém, tudo se originou de uma mega explosão inicial que gerou o Universo em expansão.

O curioso é que nem conseguiram ainda firmar este paradigma da mega explosão original e já surge um novo modelo cosmológico, chamado de ‘metaverso’, que até inspirou a Internet mudar de nome. Ou seja, o Universo seria incriado, sempre existiu e nunca houve explosão original, mas universos paralelos que se chocam, se fundem e se recriam e os buracos negros seria a maior prova desse novo modelo metaverso. Para os defensores do haja luz e houve luz e que estão ligados a uma escatologia esses modelos se mostraram fracassados pois, não conseguiram convencer ainda o tecido social.

Esse novo modelo metaverso é chamado de cosmologia cíclica. Para muitos analistas, o paradigma ‘haja luz e houve luz’ que é o modelo cosmológico clássico ainda de pé e que tem o substrato ou matriz judaico-cristã continua firme. A batalha dos paradigmas na visão pós-moderna vão continuar. A busca pela pós-verdade vai seguir seu rumo. Os que defendem a teoria da visão social libertária e acreditam e querem a futura morte de Deus (suplantar o haja luz e houve luz) vão tentar achar formas de projetar um novo paradigma.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Conclusão

    Para muitos analistas essa batalha intrínseca e intestina de paradigmas tem sido a origem de muitas patologias psicossomáticas. Muitas pessoas querem o fim da metafísica duma vez para, como dizem, se libertar da metafísica a assumir suas reais condições de finitude. E a pandemia potencializou certo desespero social.

    Leia Também:  Desleixo: significado e psicologia do desleixado

    O embate tenderá ser entre os que defendem o paradigma clássico ‘haja luz e houve luz’ e os que querem o fim desse modelo, de uma vez por todas, chamados de ‘os diabólicos’ com a premissa de que o melhor caminho é a morte de Deus.

    O presente artigo foi escrito por Edson Fernando Lima de Oliveira, formado em História e Filosofia. PG em Psicanálise. Realizando PG em Farmácia Clínica e Prescrição Farmacológica; acadêmico e pesquisador de Psicanálise Clinica e Filosofia Clinica. Contato via e-mail: [email protected]

    Importante: as ideias constantes nos artigos não condizem necessariamente com as ideias do projeto Psicanálise Clínica. O site é aberto a publicação de colunistas de variadas linhas de pensamento, em respeito à pluralidade, sendo que a responsabilidade pelos conteúdos e opiniões são do autor de cada texto.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.