libido para Freud

Libido para Freud e para a Psicanálise: 7 ideias

Posted on Posted in Formação em Psicanálise, Psicanálise

A libido para Freud é vista como uma força energética e utilizável nos instintos da vida. Muitos interpretam de maneira generalizada a função e a própria existência dessa energia. Para quebrar isso, daremos a você sete ideias de como ela se distribui e o que é libido para Freud e camadas.

Sexualidade

A libido para Freud se caracteriza especialmente por ser uma energia sexual voltada ao prazer. Com isso, o ser humano teria uma força voluntária em buscar formas de se saciar existencialmente, incluindo o sexo. Embora sejamos muito racionais, temos uma natureza quase que selvagem e que se entrega aos instintos.

A libido para a Psicanálise também mantém um relacionamento com a questão psicológica do indivíduo. Podemos observar que pode ser vista como um catalisador para a vivência psíquica de uma pessoa em sociedade. Não apenas para se relacionar, mas também para compreender o meio em que vivemos e nos adaptar.

Por fim, também existe a questão do combustível emocional em nos ligarmos com outras pessoas. A libido seria a responsável pela nossa vontade em buscarmos o afeto e a conexão alheia, nutrindo e mantendo relacionamentos.

Desejo

A libido para Freud é ligada diretamente com a ideia do desejo em ter algo. Buscamos elementos que achamos necessários para a nossa permanência e desenvolvimento em qualquer ambiente. Por isso que essa força se divide em:

Conhecimento

Conhecida como libido sciendi, carregamos uma vontade natural em aprender. Faz parte do nosso processo evolutivo, de modo que as vivências agregam em nosso próprio crescimento. Por mais que tenhamos conquistado muito, a sede em saber nunca termina.

Sensualidade

Vista como libido sentiendi, é um movimento natural da nossa espécie. Por exemplo, o famoso “flerte“, onde seduzimos de forma mais comedida, embora excitante. Aliás, a sensualidade é objeto natural de algumas pessoas, de modo que não precisem forçá-la.

Dominação

No final, temos a libido dominendi, a energia da dominação. Esta pode ser vista como conquistar, seja algo, alguém ou um lugar, sendo este físico ou imaterial. É associada com um lado mais agressivo nosso no sentido de nos impor sobre o mundo.

Instinto

Quando falamos em libido Freud, o instinto tem um lugar a ser observado. Essa energia é o que ativa o sentido para a auto-preservação da vida humana e nos afasta dos perigos. Em suma, se trata do gatilho para que possamos continuar vivos e bem na medida do possível.

Como dito linhas acima, somos criaturas muito racionais, chegando a nos sentir superiores aos outros animais. Entretanto, a nossa natureza não mente e não renega a igualdade na cadeia onde também somos animais. O instinto acaba por ser resgatado graças a vontade do viver da libido.

Em suma, essa força é o que nos movimenta e ajuda a nos afastar do perigo, independente da forma. É o impulso da preservação, da sobrevivência e da renovação.

Impulso de morte

A libido para Freud também resgata um sentido doloroso quando tocamos no impulso da morte. O psicanalista validava a ideia de que sempre procuramos o prazer em nossa vidas e também o desprazer. Todavia, também temos uma inclinação à morte ou para a forma como ela pode ser representada.

Involuntariamente acessamos parte de nossas histórias que nos machucam, embora pensamos inicialmente o contrário. Quando sentimos saudade de alguém, por exemplo, queremos reviver os momentos bons com ela. Todavia, isso traz a sensação dolorosa da ausência e do que não estamos vivendo ao seu lado.

Leia Também:  Sonhar com colchão: 18 diferentes explicações

Esse impulso de morte se opõe diretamente com o Eros, este direcionado à vida e sua propagação. Com isso, se move em direção para tudo aquilo que não possui preservação. Ainda assim, ambos agem em conjunto, de forma cíclica e complementar.

Impulso da vida

A libido para Freud também abraça diretamente a ideia de Eros. Em suma, se trata da força que nos move a procurar a sobrevivência e propagação, principalmente pelo sexo. Como viu linhas acima, a libido é associada mais geralmente a esse prazer carnal, nos excitando.

NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

Além disso, nos move a uma postura mais criativa em relação à vida. Neste ponto passamos a fazer produções, sejam elas físicas, mentais ou mesmo emocionais. Este aspecto se designa ao amor pelos outros, por ideias e pela própria existência que temos.

Com a libido temos a força necessária para instigar esse desejo e fazê-lo florescer. Cabe ressaltar que esse impulso à vida ou Eros não fala a respeito da aparência física de alguém. Trata-se da beleza interna de uma pessoa que se transforma e é percebida em sua verdadeira essência.

Sublimação

Uma das principais funções da libido para Freud é alimentar a sublimação. Sublimação se trata de fazer conversões de desejos ruins em coisas produtivas e proveitosas aceitas pela sociedade. Dessa forma, a libido entra como uma intervenção na transformação da:

Angústia

Em dado momento da vida sentimos uma falta gigantesca de algo que nos dê sentido. Essa carência é suprida quando a libido nos move para encontrar o que precisamos e nos satisfazer. Por exemplo, quando alguém se preocupa com o atraso de alguém próximo e sai para buscá-lo.

Dor

A dor se manifesta das mais variadas formas, sejam estas físicas, mentais ou emocionais. Em relação às últimas, muitos costumam fazer músicas ou expressá-las por meio da pintura ou dança. Tudo depende também de sua disposição para trabalhar a dor e não se direciona exclusivamente ao mundo artístico.

Frustração

Nem sempre as coisas tomam o rumo que queremos e isso nos deixa frustrados. Com isso, a libido nos impulsiona à mudança, fazendo com que alteremos nossa posição. A exemplo, pessoas que observam insatisfação quanto à vida e decidem fazer mudanças agregadoras.

Desenvolvimento

Assim que a libido para Freud foi observada, ele fez um registro de como ela se manifesta. De acordo com ele, aconteceria ainda na infância com os bebês. Eles usam essa força matriz para sugar o seio de suas mães e garantir a sua sobrevivência pela amamentação.

Em escala crescente, começa pela fase oral, onde colocamos algo na boca para estimular. Depois vem a anal onde o prazer com o ânus aumenta pela contenção e liberação das fezes. A fálica é o momento em que ocorre a mudança na dinâmica entre pais e filhos.

A latência é quando a libido se encontra adormecida e sem forçar para aflorar. Este momento se estende até á adolescência do indivíduo. Por fim, a fase fálica, onde o órgão sexual é o principal estímulo de prazer.

Considerações finais sobre libido para Freud

A libido para Freud era vista como um motor que impulsionava a criação humana. Ao crescimento ou nossa decadência, ela sempre se encontra, fazendo forças igualitárias com o seu oposto. É possível deduzir que poderíamos nos comportar como vegetais sem ela.

Leia Também:  Como fazer Pesquisa Psicanalítica?

Por isso que quando ela falta, nosso corpo e mente adoecem. Ainda assim, o seu excesso também costuma ser perigoso, o que pode nos levar à obsessão. Equilíbrio é a constante de tudo.

Outra forma de se desenvolver é através do nosso curso de Psicanálise online. A psicoterapia te ajuda a se colocar diante do seu próprio potencial e autoconhecimento, gerando forças transformadoras em seu interior. A libido para Freud e a Psicanálise se creditam como as respostas a uma mudança construtiva.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 2 =