psicoterapia preventiva

O que é Psicoterapia Preventiva

Posted on Posted in Uncategorized

Falaremos sobre Psicoterapia Preventiva, abordando sua aplicação no Século XXI. Como o mau uso das Mídias Eletrônicas se relacionam a este tema?

Entendendo a psicoterapia preventiva

É possível elaborar um modelo de psicoterapia ou terapia preventiva, ressignificando o mau uso das mídias eletrônicas frente a realidade do mundo globalizado?

O século XXI tem revelado um fenômeno capaz de fragmentar a identidade social e cultural dos povos, além da forte tendência para sabotar o projeto de vida. Quais são as causas desse fenômeno?

O Autor desse artigo Raimundo Lima aplicou durante o segundo semestre de 2022, 40 entrevistas anônimas com pessoas em processo de psicoterapia, em uma Associação Comunitária de Fortaleza – Ceará / Brasil. Levando em conta: idade; grau de instrução; etnias e condição social.

Anamneses sobre psicoterapia preventiva

Selecionei (40 Anamneses) com queixa principal voltada, para:

– compulsão por mídias eletrônicas;

– dificuldade de concentração;

– comprometendo a aprendizagem e o projeto de vida;

– relatos de violência ou

– descaso com a própria vida.

Elaborei com base nas anamneses (5 perguntas), com respostas:

a) SIM;

b) NÃO;

c) TALVEZ;

d) NÃO SEI RESPONDER.

Com uma única opção de escolha para cada questionamento.

QUERO INFORMAÇÕES PARA ME INSCREVER NA FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




    Desenvolvimento do método no estudo da psicoterapia preventiva

    O resultado das investigações revelaram um percentual de (95% a 100%). Confirmando que o tema poderá deflagrar uma nova pandemia. Apreciação dos resultados por breves comentários:

    – As mídias eletrônicas no século XXI têm em parte conduzido às pessoas vulneráveis para a dependência compulsiva em tecnologias eletrônicas; desenvolvendo atitudes destrutivas, a ponto de recorrer à pornografia virtual, ou a desrespeitar os demais usuários das redes sociais e familiares com críticas invasivas e atitudes de violência sem medir as consequências, etc.

    → Resultado: 95% dos entrevistados assumiram essa prática.

    – Outras justificativas (assumidas pelos participantes):

    – a tela do celular exerce uma espécie de espelhamento, promovendo uma fuga prazerosa que causa dependência e sofrimento; capaz de eliminar o projeto de vida, além destruir as referências de família e de mundo

    → Resultado: 98% confirmou que SIM.

    Informações teóricas

    Buscando informações teóricas sobre a palavra (‘espelhamento’) verifiquei que esse modelo de comportamento difere completamente da realidade descrita pelos psicanalistas: Françoise Dolto e J.D. Nasio, na obra “A criança do Espelho” (2008). Reflexão: aqui não se está falando do espelho na qualidade de objeto transacional (segundo Dolto), ou ainda, da decodificação da imagem não como uma explicação dirigida à criança (segundo Nasio).

    Pelo contrário: trata-se de um novo modelo de espelhamento; confirmando que as mídias eletrônicas podem causar dependência e desorganização psicossocial em pessoas vulneráveis. Concebe-se que a globalização tende negar a identidade do “eu”, negligenciando a existência da representação do coletivo. Contudo, os valores que norteiam a estabilidade psicossocial são: Quem sou eu? De onde eu vim? E qual o meu lugar no mundo?

    → 100% dos participantes não conseguiram responder a esses três questionamentos. Confirmando que estes precisam com urgência de cuidados psicoterapêuticos, juntamente com sessões complementares de psicopedagogia Institucional e Clínica.

    Psicanálise, psicoterapia preventiva

    A revelação maior se deu quando 100% dos entrevistados declaram que, (na maioria das vezes) só se procura os profissionais de psicanálise ou outras linhas de intervenções psicológicas, quando se instala a grande crise. Em psicanálise a grande crise, significa: a explosão dos conflitos psicológicos adoecendo o corpo e a alma. Com isso, se instalam as psicossomáticas, juntamente com o distúrbio de caráter, abrindo margem para uma nova pandemia.

    Segundo o dicionário de Psicopedagogia e Psicologia Educacional de Brunner e Zeltner (2002, p. 218) – “Psicossomática” significa:

    – Ciência e prática médico-psicológica que supõem uma série de enfermidades físicas (somáticas) que se relaciona com a causa concomitante de caráter prevalentemente psíquico.

    O mau uso das mídias

    Diante dessa definição constata-se que o mau uso das mídias eletrônicas na realidade do século XXI, assume uma qualidade de síndrome que afeta: qualquer etnia ou classe social. Todavia, esse tema merece a preocupação da classe acadêmica e da sociedade de um modo em geral.

    Cabendo aqui a máxima freudiana (que se tornou um dito popular), quando a cabeça não pensa, o corpo padece. O que fazer para reorganizar e equilíbrio biopsicossocial nos tempos pós-modernos?

    Primeiro: (independente de uma constatação psicopatológica), se toda e qualquer pessoa tivesse um encontro preventivo com um psicoterapeuta, principalmente na fase que delimita a primeira infância; com certeza, as mídias eletrônicas assumiriam quão somente o seu útil papel de ferramenta tecnológica construindo somente o bem.

    Qual a solução para controlar ou evitar as dependências?

    Se as terapias preventivas tivessem o lugar definido nesse terceiro milênio: bastaria averiguar se as tópicas freudianas estão de acordo história de vida de cada criança; caso fosse detectado algo, em poucas sessões o caso seria revertido.

    Segundo a teoria de Freud, a personalidade se fundamenta na primeira infância nas fases: oral, anal e fálica (de 0 a 3 anos). No final da primeira infância se instala o período de latência em conformidade com o que foi vivenciado nas fases: oral, anal e fálica.

    Conclusão: sobre os resultados da pesquisa e a relação com psicoterapia preventiva

    Toda pessoa que cumpre a primeira infância livre de qualquer resíduo traumático severo estará pronta para representar com qualidade o seu ser no mundo e nas coisas superando as armadilhas que desorganizam o comportamento psicossocial.

    Recorro aqui às máximas criadas pelo fisiologista russo Pavlov, pai do condicionamento clássico. Segundo Pavlov: já que o comportamento é visível e pode ser medido, ao contrário do pensamento que se dá na ordem da subjetividade. Ainda, segundo Pavlov: É com ênfase nos reflexos, que são nada mais do que a resposta automática aos estímulos do ambiente que nos rodeiam.

    Isso só vem confirmar a minha investigação sobre psicoterapia preventiva: está abrindo caminho para uma nova abordagem do fazer terapia alinhada com a educação.

    Psicologia e educação

    No meu entendimento de pesquisador e ensaísta em psicologia e educação: a contribuição de Pavlov continua atualizada, e vem contribuir com esse tema aqui em apreciação. Principalmente, quando é complementada pela contribuição epistemológica de Vygotsky (também russo), com o seu ZDP – Zona de Desenvolvimento Proximal.

    O segredo do ZDP é tirar vantagens das diferenças, e apostar no potencial de cada aluno sem perder o foco da aprendizagem que acolhe a interação social entre a escola e a comunidade na qualidade de pertença construtivista. Esta máxima vem responder o meu posicionamento, sobre: Quem sou eu? De onde eu vim? Qual o meu lugar no mundo?

    Em outras palavras, é o resultado da autonomia psicossocial construindo aprendizagens remetidas ao significado do aprender a aprender. Essa realidade se dá por um espelhamento sustentável, onde EU e o OUTRO fortalecemos o social sem perder o respeito e a individualidade.

    A psicoterapia preventiva e adversidades

    Esses valores podem e devem fazer parte da psicoterapia preventiva dialogando com a educação por uma estrada de mão dupla. É aqui que nasce a pertença da comunidade assimilando as linguagens e as representações nos movimentos positivos e negativos do mundo.

    Por isso continuo insistindo: se toda pessoa habitante do planeta terra tivesse oportunidade de experimentar na infância, uma educação informal e formal de qualidade, realinhada com a psicoterapia preventiva (mesmo que fosse uma vez por mês). Ela estaria com certeza, pronta para desbravar a vida e vencer as adversidades de forma positiva.

    Segundo o antropólogo e educador Darcy Ribeiro: só se faz oito anos uma vez na vida. Ou o mundo oferece escola de qualidade, ou se constrói presídios. Para evitar o caos psicossocial, recomendo com urgência: terapias preventivas e educação de qualidade.

    Uma síntese reflexiva

    Constata-se nesse artigo, que: as adversidades não causariam tantos danos psicossociais; e com certeza, a adolescência seria realmente, a fase mais louvável para se construir conhecimento com significado de equidade, ou seja, sabendo o real significado dos seus direitos e deveres em qualquer idade.

    Convida-se a todos para fortalecermos a possibilidade de ampliar este assunto com profissionais afins, incluindo toda comunidade que acredita na prevenção como um caminho sustentável para se construir um mundo melhor para todos. Prevenção é tudo!

    * Lembre-se: acaba de nascer a semente da Psicoterapia Preventiva no Século XXI: Ressignificando o Mau Uso das Mídias Eletrônicas.

    Este artigo sobre psicoterapia preventiva foi escrito por Raimundo Nonato Lima ([email protected]) – Pedagogo, Psicopedagogo, Psicólogo, Psicanalista, Arteterapeuta, Doutor em Psicologia Social e Pós Doutor em Linguagens e Representação… (Pela Universidad Kennedy de Buenos Aires).

     

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *