Tipos de Psicoterapias

Tipos de Psicoterapias mais importantes

Posted on Posted in Terapias

Desde as críticas à Psicanálise freudiana feita por Bakhtin (O Freudismo, 2001), por exemplo, os tipos de Psicoterapias não pararam de evoluir visando uma compreensão e resolução interna.

Sobre os Tipos de Psicoterapias

Quanto a abordagem propriamente psicanalítica o triangulo edipiano é seu coração e justamente aí reside uma das maiores críticas, como a advinda da Esquizoanálise. Todavia, as Psicoterapias não se reduzem à Psicanálise.

Dada a própria fundamentação filosófica-epistemológica da Psicologia, existem várias escolas como a Fenomenológica-existencial fundamentadas em Husserl, Ponty, Heidegger, Sartre e várias linhas como o Behaviorismo, a Gestalt, o Psicodrama entre outras, igualmente sustentadas sobre as escolas filosóficas.

Quanto aos quatro elementos básicos em comum das Psicoterapias, a teoria sobre a mente humana é um dos elementos mais filosóficos dentro da Psicologia. Husserl, o pai da Fenomenologia, afirmava em La crise des sciences européennes et la phénoménologie transcendentale (1976), que a Psicologia do século XIX tinha uma teoria do conhecimento que argumentava que este se originava por atos mentais. Estes são distintos de indivíduo para indivíduo.

Crítica husserliana

A partir dessa premissa, o conhecimento seria somente subjetivo impossibilitando que dois sujeitos mencionassem um mesmo objeto da mesma maneira. Mais precisamente, o conhecimento objetivo e universal ficava impossibilitado.

Um exemplo simples do psicologismo criticado por Husserl é que dois indivíduos observando uma maça resultaria no fato de haver uma maça para cada indivíduo. Elas seriam distintas. Eis que essa interpretação psicologista do conhecimento é alvo da crítica husserliana e permite que a própria Psicologia se afirmasse como Ciência saindo da cilada em que se encontrava no seio filosófico.

Ao defender que qualquer atitude psicológica se remete a uma fenomenologia, lê-se em Husserl (Ideas relativas a una fenomenologia pura y una filosofia fenomenológica, 1986) que fenômeno é o objeto como aparece à consciência. A argumentação fenomenológica ao começar afirmando o fenômeno escapa da noção de que a consciência é isolada, vazia e que fica na espera de ser preenchida pela experiência.

O conceito de Brentano sobre os Tipos de Psicoterapias

Ao retomar o conceito de Brentano (Psychology from an Empirical Standpoint, 1995) de intencionalidade recuperado por este da escolástica. No senso comum intenção tem a ver com a vontade, com um ato de vontade que levaria à ação.

Não é nesse sentido que Brentano e, depois Husserl, entendem o termo. A intenção, diz Husserl, é puramente cognitiva, um ato pelo qual o sujeito conhece o objeto.

Isto é, toda consciência é consciência de alguma coisa; sujeito e objeto são indissociáveis.

A autorreflexão

Um exemplo clássico é a autorreflexão. Quando o eu (o sujeito) toma consciência de si mesmo, o eu se torna objeto do sujeito que reflete, se torna objeto de si mesmo.

Pela intencionalidade, uma análise descritiva da consciência explicará as relações essenciais entre noesis e noema, respectivamente atos mentais e percepção.

Desta forma, o conhecimento não acontece para o eu, é antes uma ação, um ato mental/cognitivo. É assim que Husserl supera o empirismo mecanicistas. Este atribui ao objeto a condição de ativo e em consequência ao sujeito a condição de passivo.

A fenomenologia  e a etimologia sobre os Tipos de Psicoterapias

A fenomenologia, portanto, afirma que é o sujeito que tende ao objeto, nesse sentido, o sujeito é ativo. Assim a crítica husserliana ao psicologismo afirma que o psicologismo confunde noesis e noema.

A etimologia de noesis remete a ideia de captar. Já o noema é o percebido. Mais precisamente, é o objeto captado pela reflexão. O noema não é o próprio objeto, mas a sua percepção – o objeto de conhecimento – e seu modo de ser.

A objetividade é recuperada pela teoria do conhecimento fenomenológica que fora perdida pelo psicologismo. A pergunta é então: como que na consciência o noema a partir da noesis não perde o mundo real, o objeto?

A obra husserliana

Apesar de ser um processo bastante complexo dentro da obra husserliana, pode-se sintetizar que a noesis é ativa e passiva. Husserl usa do exemplo de um cubo. Diz ele que empiricamente pode-se perceber a um só tempo ao menos três das faces de um cubo.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Ao se ter mais percepções do cubo, mais vivências, vê-se mais uma face do mesmo. Há, portanto, de modo passivo a percepção das três faces do cubo, porém ao mesmo tempo cria-se uma unidade a partir das várias percepções/vivências do cubo.

    Leia Também:  Auto-hipnose: o que é, como fazer?

    Essa peculiaridade da noesis de ser ativa e passiva permite a construção do sentido transcendental de cubo. Transcendental é a percepção do cubo na mente. Transcendente é o objeto, a coisa, o mundo exterior.

    O início da Psicologia

    Portanto, é sobre esse arcabouço filosófico que se fala em uma escola fenomenológica-existencial na Psicologia, assim como de uma linha da Psicoterapia como a Daseinsanalyse fundada por Binswanger a partir do conceito heideggerianos e a Gestaltoterapia desenvolvida por Fritz Perls a partir da fenomenologia.

    Com mais detalhes, a Psicologia de início é praticamente uma Psicofísica por se desenvolver a partir da medicina ao estudar a percepção de forma a quantificar e generalizar as reações a estímulos tal como preconizam os ideais positivistas.

    Uma tendência que se fundamenta no método positivista experimental (herança empirista) é o Behavorismo ou Psicologia Comportamental.

    A influência de Gestalt

    Um segundo método que se evidência em contraposição ao Positivista e, a partir da distinção entre explicar e compreender, é o Hermenêutico que se pode definir como humanista em tensão ao naturalista – experimental.

    Daí a Gestalt e a Psicanálise serem exemplos de tendências que se fundamentam na Hermenêutica. Com influência da fenomenologia husserliana, como já dito, a Gestalt busca a compreensão do ser humano em sua totalidade, criticando a tendência empirista por reduzir a percepção a uma sensação isolada e confusa que perde toda a complexidade da percepção que primeiro percebe o todo e não as partes.

    Ao defender as relações, o ser humano é compreendido como um ser relacional que atribui os sentidos dada a intencionalidade da consciência que pode então completar formas (Gestalt) inacabadas, ressignificando as mesmas, ao depois da percepção total atentar-se às partes, aos detalhes.

    Psicanálise presente nos Tipos de Psicoterapias

    Um outro exemplo da aplicação do método Interpretativo ou Hermenêutico é a própria Psicanálise.

    Vale dizer que a própria filosofia dual cartesiana permitiu que um interesse maior se voltasse para o que ele chamava de alma (mente, subjetividade) e, por outro lado, o corpo como máquina passível de observação e controles condicionados permitiu métodos mais mecanicistas/materialistas como o Positivismo que dá as bases epistemológicas ao Behaviorismo.

    Nota-se que diferentes linhas se desenvolveram a partir, às vezes, de uma única escola filosófica.

    Eis que quando se fala de modos de percepção dos afetos da relação terapêutica em suas quatro modalidades (eu sou o outro, eu para o outro, o outro para mim e eu e o outro) está-se numa ordem epistemológica totalmente fenomenológica e, os modos dos vínculos corpo a corpo se estabelecerem, vão variar a cada fenômeno tal como aparece a cada consciência e sua intencionalidade.

    O presente artigo foi escrito pela autora Katia Vanessa ([email protected]). Katia é Psicanalista, Filósofa e Psicopedagoga. Mestre e Doutora em Linguística. Docente no ensino Superior e de Pós-graduação em MBA.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.