Personalidade para a Psicanálise: Uma Teoria

Posted on Posted in Transtornos e Doenças

Sigmund Freud é considerado o precursor ou criador da psicanálise. Essa é uma área de conhecimento bastante complexa, devido à quantidade de elementos e nuances que ela engloba. Uma das abordagens possíveis para começar a compreende-la é por meio do estudo da personalidade para a psicanálise.

Os modelos de identidade, assim como as divisões topográficas da mente, foram identificados e analisados por Freud a partir de sua experiência em clínica. Ao observar os transtornos psicológicos que muitos indivíduos apresentavam, constatou a existência de níveis Inconscientes em nossa mente. Afirmando não haver uma descontinuidade entre os processos mentais, o autor se dedica a identificar os níveis obscuros da psique humana. A partir dessas análises ele pode afirmar que a parte de nosso cérebro mais importante na definição da personalidade não é a consciente, mas a inconsciente.

A própria definição de personalidade é bastante ampla na psicanálise, podendo ser explicada a partir de inúmeros pontos. Nesse post, trataremos da personalidade a partir das diferenciações individuais. A principal base teórica para essa abordagem é a do francês Jacques Lacan.

Como é amplamente sabido, a psicanálise se interessa principalmente pelo desenvolvimento da psique durante a infância. Isso porque vê como primordial o papel da família na formação da personalidade.

Devido a essa concepção, defende-se que é a partir do Complexo de Édipo que se estrutura a psique. Apesar de Complexo de Édipo não ser o tema desse texto, vejamos basicamente o que ele significa antes de prosseguir.

COMPLEXO DE ÉDIPO

O termo Complexo de Édipo foi criado por Freud para designar o conjunto de sentimentos hostis e amorosos que o filho sente em relação à mãe. Seriam desejos que surgem de forma inconsciente durante a infância. O nome foi inspirado na tragédia grega Édipo Rei, de Sófocles. Nela, o autor grego conta a história de um filho que matou o pai e casou-se com a mãe, isso antes de saber do parentesco entre eles. Quando descobriram ser mãe e filho já haviam, inclusive, constituído uma nova família. Com a notícia, a mãe se suicidou, enquanto Édipo arranca os próprios olhos.

Para tratar do fenômeno de identificação entre filha e mãe, Freud utilizava o termo Complexo de Édipo feminino. Nesse, a identificação da filha com a mãe seria tão intensa que a primeira competiria com a segunda pelo amor do pai. Carl Jung denominava o fenômeno como Complexo de Electra, mas Freud rejeita esse termo.

PERSONALIDADE PARA A PSICANÁLISE

Como dissemos, a psicanálise freudiana entende que a partir do Complexo de Édipo se forma a estrutura da Psique. Existiriam, ainda, três grandes estruturas possíveis, nas quais todos os indivíduos se encaixam. Elas seriam: psicose, neurose e perversão.

Não parece nada bom, não é mesmo? Os nomes dessas três estruturas já remetem, de certo modo, a um transtorno. Dizer que todos os indivíduos se encaixam em alguma dessas estruturas mentais significa que estamos todos doentes? Não é bem assim.

Na concepção psicanalítica, a nossa formação na infância – baseada no Complexo de Édipo – determina em qual das três estruturas nos encaixaremos.

Se as três estruturas estão fortemente ligadas à ideia de distúrbios psíquicos, e se todos os indivíduos se enquadram em alguma delas, qual seria a diferença entre a normalidade e a doença? Freud explica.

A única diferença, para a psicanálise, estaria no grau. Ou seja, as pessoas têm graus variados de sintomas ligados à sua estrutura psíquica. Quanto maior o grau, maior o sofrimento do indivíduo. O sofrimento derivado desses sintomas psíquicos, resultantes da estrutura mental constituída a partir do Complexo de Édipo, é o que leva à procura de tratamento psicológico. E por meio desses sintomas é que Freud vê a necessidade de compreender a formação, a função e a importância do Inconsciente.

Cada uma dessas três estruturas apresenta subdivisões. Vejamos quais são cada uma delas.

NEUROSE

Segundo Freud, as neuroses são divididas em neurores atuais e psiconeuroses. Na neurose, o indivíduo não está totalmente preso à sua realidade psíquica, ainda exerce uma autocrítica e desconfia que há um incômodo psíquico. Diz-se que para entender o que é psicanálise é preciso saber que, em essencia, é uma terapia que trata neuroses pela fala.

PSICOSE

A psicose se divide principalmente em Esquizofrenia e Paranoia. Na psicose, podemos dizer que o sujeito cria a totalidade ou fragmentos de um universo paralelo. Por exemplo, ao acreditar que determinadas alucinações são realidade.

Leia Também:  O que é dislexia? Significado e tratamentos

PERVERSÃO

A perversão não possui subdivisões. Ela, no entanto, possui várias formas de manifestação. Uma delas seria o que Freud chama de parafilias, como são exemplos os fetichismos.

Deixaremos para o texto seguinte a explicação quanto a cada um dessas estruturas, suas subdivisões e seus sintomas característicos. Por ser um tema complexo, é interessante explicarmos uma coisa de cada vez. Assim o texto não fica cansativo e vocês, nossos leitores, conseguem entender tudo de forma mais aprofundada.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Cabe aqui, no entanto, acrescentar algumas características das estruturas da psique. Principalmente no que diz respeito à importância delas para a compreensão de qualquer tema da personalidade para a psicanálise.

    É durante a infância que se determina em qual das três estruturas cada indivíduo irá se encaixar. Isso quer dizer, primeiramente, que a influência familiar, por meio do Complexo de Édipo, determina a personalidade do sujeito, e todas as personalidades podem ser explicadas a partir de um dos três modelos.

    Conclusão

    Com isso, podemos começar a compreender a importância de identificar a personalidade para a psicanálise. Identificando em qual estrutura se encontra a psique do indivíduo é possível saber a forma de tratá-lo caso o grau dos sintomas se acentue.

    8 thoughts on “Personalidade para a Psicanálise: Uma Teoria

      1. Lúcia Elena, tudo bem? Nosso Curso Completo de Formação em Psicanálise é 100% online. Contempla o tripe teoria, análise e supervisão. As inscrições estão abertas (a valores promocionais) e o início é imediato, logo após sua inscrição. Acesse: psicanaliseclinica.com. Gratidão! Equipe Psicanálise Clínica

    1. É uma assunto muito interessante e ao mesmo tempo complexo, a mente humana é mesmo fascinante. Esse curso com certeza eu farei

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.