psicanalise lacaniana caracteristicas

Psicanálise Lacaniana: 10 características

Posted on Posted in Psicanálise, Teoria Psicanalítica

O que significa psicanálise lacaniana? O que é ser lacaniano? Quais princípios e diferenças entre Lacan e Freud? Como funciona o processo de análise lacaniana?

Vamos listar algumas das principais características da linha lacaniana. De algum modo, apresentamos neste artigo um resumo com princípios e diferenças entre as contribuições de Lacan e Freud. Porque, óbvio, pelo problema do vocabulário, o ensino precisa fazer o estabelecimento de diferenças (não variáveis ​​e não simétricas), no caso, da obra nova (Lacan) com sua influência (Freud).

Na sua trajetória, Lacan dialogou com o pensamento de importantes filósofos como Freud, Kant, Hegel, Heidegger, Kojève e Sartre. Como “herdeiros”, influenciou Derrida, Badiou e Zizek, alguns dos ilustres lacanianos.

Se você tem interesse em Psicanálise e deseja se aprofundar nessa rica área do saber e da compreensão humana, conheça nosso Curso de Formação em Psicanálise Clínica.

1. Ser lacaniano é dar ênfase ao analista e à estrutura simbólica

O autor Miller sugere a ênfase ao analista (sua postura, suas palavras, sua condução) e à estrutura simbólica envolvida no processo de análise como características distintivas do lacanismo.

Um lacaniano não busca verdades absolutas do analista. O que importa é a forma como o analisando percebe sua realidade psíquica. Neste sentido, é comum analistas lacanianos defenderem que a psicanálise é implicar o sujeito analisando naquilo que ele diz. Por exemplo, se um analisando diz “tenho depressão”, um psicanalista lacaniano poderá lhe devolver na forma de pergunta, potencializando a reflexão: “o que é para você ter depressão?”, ou “o que significa para você sentir-se deprimido?”.

2. Ser lacaniano é dar ênfase à centralidade da linguagem

Lacan elaborou uma “psicanálise linguística”, podemos dizer. Neste sentido, Lacan se alinhava ao estruturalismo linguístico de Ferdinand de Saussure.

Para Lacan, as palavras não são transparências. Isto é, as palavras não são formas apenas de comunicar ou expressar as coisas. As palavras são, também, as próprias coisas. Neste sentido, muitas vezes Lacan partia de uma palavra para refletir o que o desmembramento destas palavras poderia sugerir. Assim o fez com o termo “perversão”, que ele lia como “père-version”.

Saiba mais sobre o conceito de perversão e père-versão na psicanálise e em Lacan.

Um outro exemplo é o conceito de forclusão.

3. A psicanálise lacaniana adota uma nomenclatura alternativa à freudiana

Lacan ofereceu uma alternativa, usando outros termos e conceitos distintos de Freud. Trata-se de um vocabulário diferente, uma tentativa digamos de atualização. Falaremos abaixo um pouco sobre as atualizações de Lacan sobre a obra de Freud.

Lacan propôs diversos termos novos, bem como propôs a ressignificação de termos da psicanálise freudiana.

A forma como o analista e o analisando entender o erro é uma forma de pensar a correlação entre linguagem e psicanálise.

Leia Também:  O que é Mindfulness? Os 3 princípios e técnicas

Veja também este outro texto em que elencamos algumas semelhanças e diferenças entre as psicanálises de Freud e Lacan.

4. A psicanálise lacaniana dá ênfase ao Sujeito e ao Outro

O trabalho de Lacan tem como sujeito o Outro com uma letra maiúscula. O “Outro” (do insconsciente, do intrapessoal) se distingue do “outro” (das demais pessoas, do relacionamento interpessoal).

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Neste sentido, é relevante a reflexão de Lacan sobre o desejo. Para Lacan, o desejo é também o desejo pelo afeto de outra pessoa. Quando pedimos uma coisa a alguém, estamos pedindo principalmente o afeto do outro, não simplesmente a coisa pedida.

    Podemos entender:

    • o outro ou os outros como as pessoas com quem nos relacionamos; e
    • o Outro como uma dimensão inconsciente de nós mesmos que lutamos para conhecer.

    A alteridade é a capacidade de entender a posição do outro / do Outro. A contribuição de Lacan pressupõe que sejamos capazes de fugir de verdades e autoverdades rígidas, para pensarmos como as ideias/palavras são entendidas e valoradas.

    Veja também um artigo nosso sobre o Estádio do Espelho para Lacan.

    5. A psicanálise lacaniana tem uma prática de atendimento clínico um pouco distinta da psicanálise freudiana

    A prática de Freud era, aparentemente, uma sequência de seis sessões de uma hora por semana, para cada paciente. Os anglo-saxões adotavam cinco sessões de cinquenta e cinco minutos, enquanto os franceses, três ou quatro sessões de quarenta e cinco minutos ou mesmo meia hora.

    Por sua vez, Lacan foi reconhecido por oferecer uma alternativa à prática psicanalítica prescrita por Freud, com temporalidade menos rígida e técnicas como suas sessões curtas ou ultracurtas.

    O essencial é você ler os Seminários de Lacan, ou pelo menos começar com um livro de um comentador, como Introdução à Psicanálise Lacaniana, de Bruce Fink. Enquanto isso, você pode ler alguns excertos e frases de Lacan que ajudam a compreender a visão do autor.

    6. O destaque da psicanálise lacaniana no papel do psicanalista

    O analista é um grande Outro, um homem onipotente, que não responde a qualquer norma, não está sujeito a qualquer lei superior. Ele veio para ver o analisando da maneira mais direta possível.

    Fala-se em desejo do analisando, mas também é preciso pensar o desejo do analista, que, a princípio, é o desejo de desvendar e “curar” o seu analisando. Entretanto, o analista que não reflete sobre a contratransferência irá inconscientemente desejar ditar o seu analisando, isto é, impor-se sobre ele.

    As relações transferenciais e contratransferenciais foram pensadas também por Lacan, seguindo a centralidade que Freud atribuía a esses elementos. Da mesma forma, o conceito de resistência para Lacan, conceito também muito caro a Freud.

    7. Ser lacaniano é abrir a psicanálise para a modernidade

    A psicanálise do século XXI é muito diferente do proposto inicialmente por Freud. Homem, pai, filho, amante, mulher, mãe, filha, os entes queridos são outros. E as possibilidade de inter-relações se ampliam, com mecanismos que facilitam o contato presencial e virtual. O mundo não é mais o mesmo: os avanços em ciência e comunicação trouxeram novas soluções e reformularam as questões dos seres humanos. As pessoas não ficam mais doentes da mesma forma, não estão mais felizes ou infelizes da mesma maneira que antes.

    A orientação de Lacan deu à psicanálise freudiana um campo hermenêutico novo, preparando-a para o tratamento deste sujeito pós-moderno, caracterizado pela falta de paradigmas ideais, de complexos rígidos como o de Édipo. O sujeito é potencialmente irresponsável em sua subjetividade. Lacan foi fundamental, ao ampliar o leque temático da psicanálise.

    Leia Também:  Terapia Lacaniana: 10 princípios

    8. A psicanálise lacaniana usa técnicas psicanalíticas, mas sem ser dogmática

    Em razão do item anterior, o analista clínico hoje, muito por influência de Lacan, foca na relação da pessoa com seu prazer, com seus pavores, não se prende a nenhum padrão ideológico ou procedimental fixo. Novamente, temos a contribuição de Lacan, que tinha uma abordagem não dogmática.

    Neste sentido, é essencial entender o que Lacan chamava de suposto-saber ou sujeito suposto-saber. Trata-se de uma contribuição muito relevante para pensar o lugar do analista, do analisando e da relação analista-analisando no setting analítico.

    9. Ser lacaniano é, no fundo, uma forma de ser freudiano

    Apesar das diferenças, Lacan promove seus debates a partir do terreno da psicanálise, tendo a psicanálise freudiana como partida. Portanto, ser lacaniano é estar num no processo de ser freudiano, mas extrapolando e testando os limites das primeiras contribuições de Freud.

    Aprofundar-se na obra de Freud é um convite feito por Lacan. Daí ser muito rico conhecer Lacan: na sua vida, obra e conceitos principais. E pode-se dizer que durante muito tempo foi possível pensar que ser um lacaniano não era mais o freudiano, por óbvio, por não ser um “autêntico freudiano”.

    21 thoughts on “Psicanálise Lacaniana: 10 características

      1. Objetivo? Só vi proposições abstratas…de concreto apenas que as sessões podem ser mais curtas. A impressão que tenho é que ser freudiano e lacaniano dá no mesmo, na hora de estar na frente do paciente. A diferença está no palavreado da teoria. Gostaria que alguem descrevesse com exemplos a diferença, se existir.

    1. Não permanecer estático é característica evolutiva, isto mostra Lacan, portanto, sigamos!

    2. Só foi relevante para mim a parte do dogmatismo, depois disso deu uma clareada, ou seja, não se fecha um diagnóstico, olhando por uma perspectiva, há outras possibilidades segundo Lacan.

    3. A base da psicanálise lacaniana sem dúvida é a linguagem. O interior simbólico do sujeito e do Outro. O foco é o analista e o analisando que por sua vez representantes de uma cultura de conteúdos simbólicos importantes ao processo psicanalítico.

    4. Tive a impressão, pelo exposto, que Lacan quis dizer: “Freud é o principal, eu, sou um plus, um acessório.

      1. Com certeza!
        Até por respeito, é como se Faustão quisesse ser mais que a Globo, por mais que ele tenha audiência a Globo sempre será a patroa. Rsrsrs
        Obs: foi só um exemplo, eu não assisto Fausto Silva rsrs

    5. Por que as correntes psicanalíticas têm de ter uma função singular? Não podem ser um fluxo que se retroalimenta e avança? Têm de ser compartimentadas? Como vocês as veem epistemicamente? Penso que ser lacaniano, não significa deixar de entender o Outro como partícipe deste Ser-aí-agora.

    6. Penso que respeitados os fundamentos do ponto de partida, que define uma conduta, não devemos ser Freudianos ou Lacanianos como quem torce para um time de futebol. A peculiaridade como cada analisando é tocada é que define a progressão do tratamento. A palavra é também um importante símbolo de acordo como é assimilada pelo analisando e não somente como é proferida pelo analista. O processo analítico é dinâmico e não necessariamente convencional.

    7. Interessante! Faria das palavras de Descartes as minhas: “Daria tudo que sei pela metade do que ignoro “. Gostaria tanto de poder saber mais da psicanalise. Vejo que estudo… estudo…. Mas que o conhecimento sempre está longe…. Tenho uma sede de saber…. mas isso nao acontece por osmose…. Gostaria de ser três ou quatro ao mesmo tempo e poder me dedicar mais a saber aquilo que ignoro e me fascina. Gostei muito do artigo. Me despertou curiosidade para saber mais de Lacan… aprofundar.

      1. Apenas sugerindo e não impondo , já que dizeis aí que queres te desdobrar em mais …pra ver um leque de conhecimento. T indico ( independentemente de tua posição política ou religiosa) que assista ao filósofo Olavo de Carvalho , temas que ele aborda na área afim ( psicologia ). Fundo geral de problema psíquicos etc.

    8. Os rótulos e títulos nos limitam, o importante é permanecer no aprendizado, buscando aprimorar nossas técnicas dia após dia na vivencia dos atendimentos e nas pesquisas para estarmos sempre atualizados.

    9. O que eu acho lamentável é que a grande maioria dos psiquiatras deixaram, na sua praxis, a psicanálise de lado. Os que estão em tratamento são identificados pelas drogas que ingerem e, muitas vezes, são tratados como robots !!! Quanto mais falarmos em psicanálise mais estamos dignificando a espécie humana… ommm …

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado.