teoria-completa-de-freud

Teoria de Freud completa: Conheça cada uma delas

Posted on Posted in Teoria Psicanalítica

Que o Freud é o pai da Psicanálise, todos nós sabemos. Mas, e quanto a todas as teorias freudianas? Você conhece cada uma delas? No artigo de hoje, vamos apresentar para você a teoria de Freud completa! Venha conhecer e descobrir cada uma delas!

Quem foi Freud?

Sigmund Freud foi um médico neurologista. Seu contato com pessoas com transtornos psicológicos se deu a partir de pessoas diagnosticadas com histeria, uma doença muito recorrente.

Assim, após estudos com esses pacientes e o uso da hipnose como tratamento, Freud notou que só isso não era suficiente. Por isso, começou seus estudos e criou a Psicanálise, uma terapia capaz de solucionar os problemas psíquicos dos pacientes.

Teoria de Freud completa: Associação livre

A Associação Livre foi o que deu início à Psicanálise. Após notar que a hipnose não era suficiente, Freud propôs que os pacientes começassem a falar livremente, sobre tudo que viesse à cabeça. Assim, a partir do que o paciente traz à luz da sessão, o terapeuta poderá buscar sentidos no inconsciente do analisado.

Assim,a Associação Livre é parte essencial da terapia da psicanálise, e também é utilizada para a interpretação dos sonhos.

A interpretação dos Sonhos

Para Freud, os sonhos são uma parte importantíssima do acesso ao inconsciente, já que é por eles que essa área da mente se “comunica” com o consciente. Para o método freudiano, tudo é considerado: sonhar, recordar e contar o sonho.

Além disso, Freud apresentava os sonhos como um caminho para o entendimento do inconsciente, fazendo com que o paciente tivesse pensamentos e fizesse relações entre o sonho e esses pensamentos conscientes. Assim, o terapeuta consegue ter um maior acesso aos entraves do inconsciente.

A partir dessas duas técnicas, somos apresentados aos conceitos de duas tópicas de Freud.

Teoria de Freud completa: a Primeira Tópica

Na primeira tópica dos estudos de Freud, ele postulou a existência de três áreas da mente humana: o Consciente, o Pré-Consciente e o Inconsciente. Vamos entender um pouco mais sobre eles?

O Consciente

O consciente é a parte de nossa mente que lida com tudo que nós temos acesso e estamos cientes. Assim, tudo que nós temos total capacidade de lembrança, pensamento e etc.. Assim, o consciente é apenas uma pequena parte da nossa mente.

O Pré-Consciente

O pré-consciente é como um filtro entre o consciente e o inconsciente. Nele, estão memórias e fatos que, com alguma facilidade, podem se tornar memórias conscientes. Por exemplo, alguma matéria da faculdade, que você não precisa lembrar o tempo todo, mas, se necessário, saberá exatamente do que se trata, é uma memória presente no pré-consciente.

O inconsciente

No inconsciente estão presentes a maior parte das memórias do indivíduo. Assim, lá estão “guardados” todos os traumas, as sensações e os momentos que nós, mesmo quando queremos muito, não conseguimos acessar para entender.

Você pode ter um medo irracional de cachorro, por exemplo, e nunca entender o porquê. Isso pois sua mente recalcou uma lembrança que te marcou muito, que pode ter envolvido tanto um cachorro quanto uma figura representativa do animal.

Além disso, o inconsciente utiliza mais de 90% de nossa mente, ao contrário do consciente. Ou seja, há mais a se descobrir sobre nós do que o que de fato já sabemos!

Teoria de Freud Completa: a Segunda Tópica

Na Segunda Tópica de seus estudos, Freud separou novamente a mente humana em outras três partes: o Id, o Ego e o Superego. Você sabe sobre o que cada um é responsável?


NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.


O Id

O Id é uma área localizada no inconsciente, e é responsável pelas nossas pulsões de vida e morte, além dos desejos, tanto sexuais quanto aleatórios. Por exemplo, é o Id que nos manda uma vontade imprópria, de fazer algo que a sociedade muitas vezes reprime.

Leia Também:  Quais os três usos do termo Psicanálise?

Por conta de sua necessidade de realizar seus desejos, o Id não pensa em regras e não pensa em consequências, ele só busca o prazer.

O Superego

O Superego, ao contrário do Id, está presente no nível consciente e no inconsciente. Assim, ele busca reprimir muitas das pulsões da vida humana. Por isso, ele é responsável pela censura, a culpa e o medo de ser reprimido. Suas regras são postuladas no início da infância, quando a criança começa a entender as proibições dadas pelos pais e pela escola.

Ademais, ele é uma instância reguladora, que define a moral, a ética e a noção de certo e errado. E para ele não existe um meio termo entre esse certo e errado.

O Ego

O Ego é a parte principal da nossa mente, ele se instaura principalmente no consciente, mas também tem acesso ao inconsciente. Além disso, é responsável por mediar o Id e o Superego. Ele é guiado pela realidade, por isso, é capaz de reprimir os desejos do Id, mas também é capaz de minimizar as represálias feitas pelo Superego.

Portanto, o Ego é o meio termo, e é ele quem nos rege e toma a decisão final em nossas escolhas.

Além desses conceitos, Freud também postulou muitos outros! Continue a leitura para conferir a teoria completa!

Teoria de Freud completa: o Desenvolvimento Psicossexual

Freud postulou que, logo na infância, o ser humano já começa a desenvolver sua sexualidade. Com isso, implementou a ideia de que as crianças não são “puras” como se imaginava. Assim, o desenvolvimento psicossexual tem 5 fases, é baseada na idade, mas não há um consenso de fixação, já que as fases se interlaçam.

Fase oral

A fase oral ocorre até o 1º ano de idade, e é nela que a criança descobre o mundo utilizando a boca, e se sente bem ao ser amamentada.

Fase anal

Na fase anal, que ocorre dos 2 aos 4 anos, a criança descobre que tem poder de controlar suas idas ao banheiro, é a fase do desfralde. Assim, ela descobre que tem controle dos esfíncteres.

Fase fálica

Essa fase é demarcada pela descoberta da região genital, e dura dos 4 aos 6 anos. A fixação em seus genitais faz com que eles busquem formular teorias, sobre o porquê de umas crianças terem pênis e outras terem vagina.

Fase da latência

A fase da latência dura dos 6 aos 11 anos, ou seja, a pré-adolescência. Nessa fase, a criança busca o prazer em atividades sociais, como esportes, música, entre outras.

Fase genital

A fase genital começa a partir dos 11 anos, ou seja, na adolescência propriamente dita. Aqui, as crianças e adolescentes começam a ter impulsos sexuais, por isso, há o início do romance e da busca de formular um objeto de desejo.

Além do desenvolvimento psicossexual, Freud também postulou a existência de alguns complexos.

Teoria de Freud completa: o Complexo de Édipo

Ocomplexo de Édipo ocorre quando o filho menino se sente ameaçado pelo pai. Isso ocorre pois ele busca ter toda a atenção e carinho de sua mãe, então, sente ciúmes de seu pai.

Esse ciúme o coloca como rival de seu pai, e isso só é superado com o amadurecimento do Ego, que percebe a imponência do pai, ou seja, que é mais recomendado que a criança se alie ao pai do que ficar contra ele. Esse amadurecimento faz com que o filho se identifique com o pai e desenvolva uma sexualidade madura.

O complexo de Édipo ocorre durante a fase fálica, e o filho menino sente medo de ser castrado do mesmo jeito que sua mãe foi, já que ela não apresenta o mesmo órgão genital que ele.

Leia Também:  10 mecanismos de defesa que profissionais de saúde devem conhecer

Ademais, Carl Jung criou o Complexo de Electra, que é a versão feminina do Complexo de Édipo.

Teoria de Freud completa: o Complexo da Castração

O Complexo da Castração foi formulado com base no Complexo de Édipo. Esse complexo não diz respeito à castração física, mas mental, ou seja, os limites impostos à criança. O filho sente que seus pais, principalmente seu pai, tem o poder de dar limites a ele, portanto, podem “castrar” seus desejos e pulsões que vem do Id.

Teoria de Freud completa: os Mecanismos de Defesa

Por conta da constante tensão sofrida pelo Ego, ele busca criar mecanismos de defesa para, assim, diminuir o medo e excluir da consciência alguns conteúdos e memórias indesejados. Assim, os mecanismos de defesa deformam a realidade e podem, até, auxiliar no narcisismo, já que mostram ao Ego apenas aquilo que ele quer ver.

Resistência e Transferência

Aresistência é uma barreira que o paciente coloca entre ele e o analista. Isso funciona como um mecanismo de defesa. Além disso, a transferência é como um vínculo feito entre o paciente e o analista. Freud entende esse vínculo como uma forma de amor, tal qual o amor de mãe e filho. Com essa transferência, o inconsciente fica mais acessível.

Conclusão

Como você pode notar, as teorias freudianas giram em torno da mente humana com base no inconsciente e em traumas escondidos. Além disso, também leva muito em consideração a questão sexual do indivíduo, além das pulsões sexuais e da libido.

Por fim, indico que você aprofunde seus conhecimentos sobre cada teoria, clicando nos links destacados. Busque, cada dia mais, expandir sua mente e entender sobre a psicanálise e seu funcionamento!

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 2 =