Biografia de Freud: origem, estudos, teorias e morte

Posted on Posted in Psicanálise

Freud ficou conhecido como o pai da psicanálise. Os seus estudos sobre a mente e o comportamento humano são, atualmente, utilizados em várias ciências e campos de conhecimento. A biografia de Freud está estreitamente ligada à sua pesquisa e ao seu trabalho na criação e difusão da psicanálise.

Por isso, é fundamental de se conhecer, seja para estudantes de Psicanálise, ou para interessados em saberes humanísticos de uma forma geral.

A Vida de Freud: Breve panorama Biográfico

Sigismund Schlomo Freud nasceu em Freiberg in Mähren, em 6 de maio de 1856. Sua cidade natal fazia parte do então Império Austríaco. E é onde hoje se localiza a República Tcheca. Ele faleceu em Londres (Inglaterra), aos 23 de setembro de 1939.

Foi o primogênito de oito irmãos. A família de Freud era judaica. A dinâmica familiar e as interações com seus irmãos influenciaram suas teorias sobre o desenvolvimento psíquico humano.

Formou-se em Medicina, pela Universidade de Viena, em 1881. Por ser médico neurologista, Freud sempre desenvolveu a sua pesquisa com foco na mente humana. Estudou psiquiatria, mas, ao terminar o curso, viu que os conhecimentos oferecidos não eram suficientes para esclarecer todas as dúvidas que ele tinha sobre a mente humana. Dessa forma, Freud foi buscar em outras áreas e por outros meios as explicações aos seus questionamentos.

A busca por tratamentos da histeria foi um dos focos, principalmente, da fase inicial das pesquisas de Freud. Ele iniciou os seus estudos pela utilização da técnica da hipnose no tratamento de pacientes com histeria. Uma de suas grandes influências para o tratamento por meio da hipnose foi o médico francês Jean-Martin Charcot.

Ao observar a melhora dos pacientes tratados por esse médico, Freud elaborou uma hipótese sobre a origem da histeria. O próprio Charcot acreditava que a histeria era hereditária, ou seja, tinha base essencialmente genética. Mas Freud afirmou que a origem da histeria era psicológica e não orgânica, como até então se acreditava.

Essa hipótese proposta por Freud serviu como base a outros conceitos por ele desenvolvidos. Inclusive influenciou em uma de suas maiores descobertas: a compreensão sobre o que é o inconsciente.

A família de Freud e sua formação acadêmica

Freud é filho de pais judeus: Jacob Freud e de Amalie Nathanson. Freud mudou-se para Viena aos quatro anos de idade, em 1860. Devido a problemas financeiros e de saúde de sua família.

Freud entrou no curso de Medicina aos 17 anos. Também estudou filosofia, fisiologia e zoologia.

Ao se debruçar sobre a biografia de Freud, vê-se que pouco se sabe sobre os seus primeiros anos. Isso se dá inclusive pelo fato de ele próprio ter destruído os seus escritos pessoais, por duas, vezes, em 1885 e em 1894.

Com Ernst Brücke, Freud estudou fisiologia. Dentre as atribuições de Freud estavam o estudo da anatomia e da histologia do cérebro humano.

De acordo com a biografia de Freud, nessa época ele conhece Martha Bernays. Apaixona-se por ela e a sua vontade de desposá-la muda o rumo de seus estudos. Na busca por um melhor salário, ele abandona o laboratório e começa a trabalhar no Hospital Geral, em Viena.

Então, Freud recebe uma bolsa e viaja para a França, onde trabalha com Charcot, que tratava a histeria com hipnose. Freud é influenciado diretamente por Charcot e seu método da sugestão hipnótica.

O período pré-psicanalítico

De volta ao Hospital Geral, ele desenvolve as metodologias para tratar mulheres judias que sofriam de sintomas aparentemente neurológicos. Em 1886, ele se casa com Martha Bernays, com quem teve seis filhos. A filha caçula de Freud é Anna Freud, uma das mais importantes psicanalistas da história.

Seu colega Josef Breuer também influenciou Freud, na segunda fase denominada de método catártico. Com Breuer, Freud publicou seus primeiros artigos sobre a psicanálise, reunidos na obra “Estudos sobre a histeria” (1895). Um importante caso tratado por Breuer e Freud é o relato do tratamento de histeria da paciente Bertha Pappenheim, conhecida pelo nome fictício atribuído por Freud como o caso Anna O.

QUERO INFORMAÇÕES PARA ME INSCREVER NA FORMAÇÃO EM PSICANÁLISE

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ




    Podemos assim separar dois grandes momentos da obra freudiana, quanto às técnicas empregadas:

    • Fase pré-psicanalítica: são os períodos de atuação com Jean-Martin Charcot (sugestão hipnótica) e, depois, com Josef Breuer (método catártico).
    • Fase psicanalítica propriamente dita: a partir de 1900 (para alguns autores, alguns anos antes disso), quando passou a atuar e escrever de maneira “solo”, haveria o surgimento da psicanálise em si, em especial com o constructo de Freud no livro A Interpretação dos Sonhos.

    Algumas das teorias de Freud

    Dentre as principais teorias por Freud fundadas, estão as suas teorias a respeito dos mecanismos de defesa e repressão psicológica. Também se tornou muito importante a sua metodologia terapêutica para tratar as psicopatologias. Primeiro, ele utilizou a sugestão hipnótica e o método catártico. Depois, começou a tratar seus pacientes por meio do diálogo terapêutico, na técnica da psicanálise denominada associação livre.

    Por esse diálogo, Freud fazia uma análise do paciente e tentava descobrir as causas de suas psicopatologias. Ele buscava formas de curar o paciente fazendo-o reconhecer as causas de seus problemas, a partir de uma investigação que via de regra vasculhava desde a infância do paciente. Problemas cujas causas deveriam ser trazidas do inconsciente à sua consciência, para que a chamada ab-reação pudesse revelar os motivos, o que superaria os sintomas.

    Leia Também:  Topografia do Aparelho Psíquico

    Freud difundiu uma teoria de que o desejo sexual era uma energia motivacional primária da vida humana. Dessa forma, a sua obra fez com que surgisse uma nova compreensão sobre o ser humano. Ser que, para ele, era um animal influenciado por seus desejos e sentimentos e dotado de uma razão imperfeita. Freud dizia que muitos dos tormentos psicológicos estão relacionados à contradição existente entre os desejos ou sentimentos primários dos homens e o seu recalque ou negação para viver em sociedade.

    Além de usar o diálogo, a psicanálise buscava tratar os pacientes por meio da interpretação de seus sonhos. Para Freud, as formas como inconsciente se permite conhecer são indiretas: os sonhos, os sintomas, os chistes e os atos falhos.

    Suas pesquisas também falaram sobre a neurose, a psicose, a perversão e a sexualidade, infantil e adulta. Freud afirmou, por exemplo, que a sexualidade estava presente nas crianças, desde os seus primeiros anos. As suas teorias e os seus tratamentos foram muito inovadores na época e, por isso, causaram muitas controvérsias.

    Até hoje, muitos de seus conceitos continuam sendo debatidos por estudiosos da área da psicanálise, que se tornou uma nova ciência. Suas teorias influenciaram muito na atual psicologia. A biografia de Freud é muito estudada até hoje, junto de toda a sua literatura.

    Últimos anos da Biografia de Freud

    Freud Vive em Viena até 1938, quando, sob a pressão de invasão nazista, é obrigado a se exilar em Londres, na Inglaterra. Aos 83 anos, Sigmund Freud morre de câncer no palato, após ter passado por trinta e três cirurgias.

    De acordo com a biografia de Freud, supõe-se que ele tenha morrido de uma dose excessiva de morfina. Ele sentia muita dor e usava a morfina para amenizá-la. Uma informação possível porém não comprovada é que, não suportando mais a dor física da doença, ele pede ao médico que lhe aplicasse uma dose excessiva de morfina.

    E casa em que Freud passou o último ano de sua vida, no número 20 da Maresfield Gardens em Hampstead, foi transformada no Museu Freud em Londres, que segue aberto para visitações.

    5 thoughts on “Biografia de Freud: origem, estudos, teorias e morte

    1. Rosangela Barboza disse:

      Acredito que o cancer de Freud sw desenvolveu ,devido a haver sido obrigado a ocultar muito,sobre seus estudos e saber que os mesmos serian mal utilizados ,de todas maneiras foi um genio

    2. Um gênio humilde o bastante para compreender que o diálogo cura a alma.

    3. Alessandra de Souza Almeida disse:

      Muito bom o post. Esclarecedor, sucinto e atento ao detalhes importantes.

    4. fernanda gonçalves palma disse:

      Boa noite. Muito bom o texto, suscinto e exato. Parabéns.

      1. Psicanálise Clínica disse:

        Muito obrigado pela sua mensagem, Fernanda!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *