sete escolas da psicanálise

Sete Escolas da Psicanálise: de Freud a Bion

Posted on Posted in Filosofia e Psicanálise, Formação em Psicanálise, Psicanálise

As sete escolas da psicanálise são descritas na obra do psiquiatra e psicanalista brasileiro David Zimerman. O livro recebeu o título de Fundamentos Psicanalíticos e sua primeira edição é de 1999, porém reúne conceitos essenciais e atuais para compreender a psicanálise até hoje.

Atualmente, estudar uma única vertente não é suficiente para desvendar todas as possibilidades da psicanálise. Dito isso, continue a leitura para conhecer melhor as sete escolas da psicanálise da lista de Zimerman!

As sete escolas da psicanálise

Como o próprio autor destaca em seu livro, a lista não explora 100% as teorias e pesquisas das sete escolas. Por outro lado, seu objetivo não é esse, mas situar estudantes, psicanalistas e demais profissionais sobre as principais referências da área.

Assim, a leitura contribui para uma atuação especializada e fundamentada da psicanálise, aprimorando a interpretação do caso de cada cliente. Portanto, vale dedicar um momento da sua pesquisa para descobrir quais são as setes escolas da psicanálise e entendê-las bem.

Escola Freudiana

A escola freudiana teve Sigmund Freud, Sandor Ferenczi, W. Reich e Anna Freud como seus principais precursores. Freud é considerado o pai da psicanálise, por isso esta é a primeira escola que de fato aborda o assunto.

Nesta abordagem, o inconsciente é o elemento central dos estudos e visto como o responsável por influenciar as ações humanas. A pulsão de vida e a pulsão de morte são alguns dos termos que essa vertente usa para explicar as necessidades que impulsionam as ações.

Desse modo, essas necessidades são como pressões e, segundo Freud, toda ação tem uma pressão, ou seja, uma finalidade ou objeto de motivação. Assim, embora a busca pelo prazer seja um dos seus principais argumentos, sua teoria vai muito além.

Escola Kleiniana ou Escola das Relações Objetais

Já a escola kleiniana recebe o nome da precursora, Melanie Klein, mas também recebe o nome de Escola das Relações Objetais. Embora Klein fosse adepta da Escola Freudiana, suas teorias possuem grandes diferenças, a ponto de a proposta de Klein ter estofo para configurar uma nova abordagem.

Por isso, esta é a segunda das sete escolas da psicanálise, dessa vez voltando-se para as relações humanas. Nesta teoria, os estudos fundamentam-se no comportamento do indivíduo desde o nascimento, acompanhando toda a infância e seu desenvolvimento social.

Para Klein, as relações objetais consistem no interesse humano por manter contato e relações interpessoais. Dessa forma, o prazer sexual não é motivação das ações, mas sim um meio para alcançar a real motivação.

Escola da Psicologia do Ego

Heinz Hartmann, Margareth Mahler e Otto Kernberg são os nomes de referência no tocante à Escola da Psicologia do Ego. Neste caso, o ego é a parte consciente do indivíduo e sua atenção se volta para o “eu”.

Essa teoria também tem base nos estudos freudianos, considerando a hipótese da mente tripartida em ID, ego e superego. Com isso, as funções mentais como afeto, memória, conhecimento e pensamento passarão a ter uma valorização significativa para a psicanálise.

Foi nesta escola também em que a psicanálise se aproximou de campos da filosofia, da biologia e educação, por exemplo. Esta aproximação foi indispensável para que as pesquisas e o entendimento sobre o cérebro humano se tornassem precisas e mais sólidas.

Leia Também:  Entendendo Psicanálise de 5 grandes autores

Escola da Psicologia do Self

Na quarta das sete escolas da psicanálise, Heinz Kohut esclarece conceitos confusos entre a escola do self e do ego. Aqui, introspecção e empatia são os principais instrumentos da psicanálise, seguidos da tese das “falhas dos self-objetos primitivos”.

Para essa teoria, o psicanalista deve ser inserido como modelo de função psicanalítica para suprimir falhas empáticas parentais. Essa consideração tem em vista que essas falhas impedem a criação de uma identificação do indivíduo com a sua mãe ou seu pai.

    NÓS RETORNAMOS PARA VOCÊ



    Quero informações para me inscrever na Formação EAD em Psicanálise.

    Por sua vez, a falta de identificação com os genitores ou substitutos ocasiona um transtorno do sentimento de identidade. Portanto, a atuação do psicanalista possibilitará essa identificação de modo satisfatório para o indivíduo.

    Escola Francesa

    O forte nome de Jacques Lacan, muito usado pela psicologia e psicanálise, foi o responsável pela chamada escola francesa. Lacan reconhece a importância da linguagem para o ser humano e suas relações estabelecidas em sociedade.

    Dessa maneira, a importância da imagem já não é superior a palavra, visto que seu significado é atribuído pela palavra. Assim, a palavra, por meio da linguagem, é o que determina o sentido interpretado pela mente.

    Então, com essas informações, a teoria compreende que o inconsciente pode ser formado por meio da linguagem parental. Isto é, a maneira como a mãe e o pai se comunicam com a criança forma o seu entendimento inconsciente.

    Escola de Winnicott

    A penúltima das sete escolas da psicanálise foi fundada a partir das ideias de Donald Winnicott. Para ele, a elaboração imaginativa do corpo e suas funções é que moldam a psique, não sendo uma estrutura pré-existente.

    O fenômeno do objeto transicional é uma de suas teorias mais conhecidas, chamada também de objeto de conforto. Embora o fenômeno seja essencial para que indivíduo se estruture após a ausência materna, ele pode ganhar aspecto patológico.

    Segundo Winnicott, o objeto transicional é adotado para suprir a ausência parental em determinados momentos. No entanto, a obsessão pelo novo objeto pode ocasionar vícios e dependências se mantidos após o amadurecimento do indivíduo.

    Escola de Bion

    Completando as sete escolas da psicanálise, Wilfred Bion deu um novo conceito ao fenômeno da identificação projetiva. Para ele, o conceito pode ser realista, quando estrutura a formação da criança, ou excessivo — quando assume caráter patológico.

    Na situação analítica, a identificação projetiva pode acontecer, sem a percepção do cliente, para o psicanalista interpretar aquelas emoções. Logo, essas vivências acumuladas e incompreendidas receberiam, por fim, um sentido e seriam nomeadas.

    Alem disso, a Escola de Bion defende também a mentalidade grupal. Ela diz respeito a ações desenvolvidas por membros de um determinado grupo de pessoas. Entretanto, uma característica relevante é que muitas dessas ações são realizadas inconscientemente.

    Considerações finais: uma recapitulação das sete escolas da psicanálise

    Como vimos, a obra de Zimerman faz uma recapitulação rica das sete escolas da psicanálise. Além de que, este resumo munido de informações relevantes sobre as teorias e seus autores, lhe possibilita ter um olhar mais dinâmico sobre a psique humana.

    E para continuar aprofundando seus estudos e adquirir mais conhecimento, temos um convite especial para você. Matricule-se no nosso curso online de psicanálise clínica hoje mesmo e conheça as técnicas psicanalíticas e teorias.

    Com aulas 100% EaD e certificado de conclusão, após formados os alunos estão aptos para atender seus próprios clientes de psicanálise. Então, não fique de fora, clique aqui agora e garanta sua vaga!

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *